Niquelândia, Goiás,
segunda-feira, dia 23 de outubro de 2017
 
09/10/2017
Cármen Lúcia diz que Brasil não vive crise democrática e que democracia está em 'plena ebulição'
Presidente do Supremo participou, em São Paulo, de evento de jornalismo da GloboNews e da revista 'Piauí'. Ela também defendeu a PGR e disse não ter elementos para falar em manipulação na delação da JBS.
 
A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, afirmou na tarde deste sábado (7) que não acredita haver “crise” na democracia no Brasil, e sim que ela esteja em plena “ebulição” e “efervescência”. Na visão da ministra, a instabilidade pela qual o país passa deverá ser superada com o devido julgamento de quem é acusado de práticas de corrupção.

Cármen Lúcia foi entrevistada pela jornalista Consuelo Dieguez, da revista “Piauí”, no Festival Piauí GloboNews de Jornalismo, realizado neste sábado em São Paulo. Ela também respondeu a perguntas de participantes do evento.

A ministra foi questionada se acha que a democracia brasileira está em crise. “Acho que não, acho que nossa democracia está em plena ebulição, em plena efervescência”, disse. "Eu não acho que o Brasil vive uma crise democrática. A democracia vale a pena do mesmo jeito que o Brasil vale a pena. O Brasil é maior e nós vamos passar por isso”, completou.

A ministra destacou que atualmente o período é de instabilidade e intolerância na sociedade, mas que acredita na mudança.

"O Brasil não escolheu viver sem seu tempo, os cidadãos brasileiros estão cientes de que esta instabilidade haverá de ser superada com a melhoria na hora de prestar aquilo que há de ser prestado, uma jurisdição em que aqueles que agrediram a cidadania pelas práticas de corrupção serão devidamente julgados nos termos das leis, e aqueles contra os quais se comprovarem tais práticas serão punidos”, declarou.

Delação da JBS

No evento, a ministra também defendeu a atuação da Procuradoria Geral da República (PGR) ao fechar acordos de delação premiada no âmbito da Operação Lava Jato. Ela foi questionada sobre se considera ter havido eventual manipulação no acordo fechado com a JBS.

“Pra que eu pudesse dizer que houve manipulação da Procuradoria Geral da República, que é um órgão sério, [...] eu teria que contar com elementos que, primeiro, não ficam nas mãos de uma única pessoa, o procurador-geral. Ao final, é ele que decide, sim, se encaminha ou não encaminha, mas isso não ocorre de maneira isolada”, disse a ministra.

“Em segundo lugar, [eu precisaria] saber de todos os dados e como se passaram essas tratativas e essas reuniões. Esses elementos, o Supremo Tribunal Federal não tem hoje pra dizer. Eu não posso dizer que tenha sido nem manipulado, nem que o procurador-geral não tenha levado em consideração”, completou.

O acordo de delação premiada do grupo J&F, controlador do frigorífico JBS , foi feito em maio pela PGR com os donos da JBS - os irmãos Joesley e Wesley Batista - e outros cinco delatores. O acordo previa imunidade total aos irmãos. Com isso, eles não deveriam responder criminalmente pelo esquema de propina que revelaram a procuradores da República.

Em agosto, o ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, determinou a abertura de investigação para apurar indícios de omissão de informações de práticas de crimes no fechamento do acordo. Um dos principais motivos é que o ex-procurador Marcello Miller, que trabalhou junto a Janot na Operação Lava Jato, teria ajudado os executivos Joesley Batista e Ricardo Saud enquanto ainda fazia parte da PGR, em março deste ano.

Cármen Lúcia também disse que a delação premiada é um instrumento novo, e que eventuais excessos e defeitos deverão ser analisados, mas que é um mecanismo "eficaz". "Tem sido adotado no mundo para que o crime não se encubra, não impeça que órgão de investigação atue."

Drible Propaganda em Goinia